LEIA TAMBÉM

Entenda o Balanço Patrimonial do seu Clube

O Estatuto de Defesa do Torcedor regulamenta que os clubes devem:

” elaborar suas demonstrações financeiras, separadamente por atividade econômica, de modo distinto das atividades recreativas e sociais, nos termos da lei e de acordo com os padrões e critérios estabelecidos pelo Conselho Federal de Contabilidade, e, após terem sido submetidas a auditoria independente, providenciar sua publicação, até o último dia útil do mês de abril do ano subsequente, por período não inferior a 3 (três) meses, em sítio eletrônico próprio e da respectiva entidade de administração ou liga desportiva” 

As boas práticas de gestão recomendam que devam ser publicadas as seguintes demonstrações contábeis:

  • Balanço Patrimonial
  • Demonstração do Resultado do Exercício
  • Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados ou Demonstrações das mutações do Patrimônio Líquido
  • Demonstração do Fluxo de Caixa
  • Demonstração do Valor Adicionado
  • Notas Explicativas

A publicação dos demonstrativos contábeis são imperiosas para a transparência no futebol brasileiro, porém o entendimento sobre os mesmos não é de domínio do torcedor. Até mesmo dentro dos Conselhos Deliberativos dos clubes não existe 100% de conselheiros que sabem ler uma demonstração contábil e realizar uma análise aprofundada sobre o tema.

Essa publicação pretende explicar do que se trata cada divisão do Balanço Patrimonial apresentado pelos clubes brasileiros, em que consiste as principais contas apresentadas e chamar a atenção para algumas manobras que os clubes realizam para confundir ainda mais o público em geral sobre o demonstrativo apresentado.

Não temos acesso a tudo que se passa dentro dos clubes do futebol brasileiro, não estamos generalizando e nem pontuando um outro clube como não transparente. Apenas trazemos alguns pontos que foram ressalvados por auditores independentes que analisaram as principais demonstrações contábeis dos clubes brasileiros nos últimos anos.

BALANÇO PATRIMONIAL

O demonstração do Balanço Patrimonial visa apresentar de forma quantitativa e qualitativa como está o clube, patrimonialmente e financeiramente. Podemos dizer que o Balanço Patrimonial é uma foto da situação financeira do clube em uma determinada data.

O Balanço Patrimonial é dividido em:

Ativo – Conta que compreende todos os bens e direitos controlados pelo Clube, que possam gerar ganhos financeiros.

  • Ativo Circulante – Bens e direitos que podem ser em curto prazo, convertidos em dinheiro.
  • Ativo Não Circulante – Bens e direitos que necessitam de um longo prazo para serem convertidos em dinheiro. Pode ser dividido em dois:
    • Ativo Realizável a Longo Prazo – Bens e direitos que se realizam em um prazo superior a 1 ano.
    • Ativo Permanente – Bens e direitos que o Clube não tem intenção de vender, são necessários para a manutenção da atividade.

Passivo – Conta que compreende todas as obrigações com terceiros que o Clube possui, necessitando de Ativos para extinção.

  • Passivo Circulante – Obrigações financeiras que o Clube precisa liquidar em curto prazo.
  • Passivo Não Circulante – Obrigações financeiras que o Clube pode liquidar em um prazo superior a 1 ano.

Patrimônio Líquido – Conta que compreende os recursos próprios que o Clube Possui, representa efetivamente o que o Clube possui caso pague todas suas dívidas.

A situação dos principais clubes brasileiros observando seus Balanços Patrimoniais é ruim, não podemos mensurar com exatidão o quão preocupante é pois sabemos que as demonstrações financeiras e patrimoniais ainda carecem de maior transparência no futebol brasileiro.  Alguns clubes brasileiros ainda não auditam de forma independente suas demonstrações financeiras, não lançam no Balanço Patrimonial a totalidade de suas obrigações trabalhistas e também não sabem ou não querem apresentar com exatidão algumas contas referentes a custos com formação, aquisição e venda de direitos econômicos de atletas.

Erros propositais cometidos por Clubes do Futebol Brasileiro na apresentação do Balanço Patrimonial.

A maquiagem do Balanço Patrimonial é corriqueira nos clubes de futebol, normalmente alegam que falharam em um ou outro controle contábil ou gerencial, porém é difícil acreditar que em clubes de estrutura grande, que possuem assessorias profissionais cometam alguns erros como os listados abaixo:

Esfera Patrimonial

  • Não avaliação do imobilizado a valor justo –  Essa prática visa maquiar o valor do Ativo do clube. Quanto maior for o Ativo, melhor é a imagem do clube no mercado quanto a sua capacidade de pagamento.
  • Não registrar contabilmente a depreciação sobre os bens – Em clubes de futebol, não efetuar o registo da depreciação visa aumentar o resultado do exercício. Um resultado maior passa uma imagem vencedora para as gestões do clubes, mesmo acarretando um aumento nas obrigações tributárias.

Esfera Tributária

  • Não contabilização de juros e multas incidentes sobre atrasos de pagamento de tributos e entrega de DCTFs. – A não contabilização diminui o passivo, demonstrando uma melhor capacidade financeira do Clube.

Esfera das Provisões 

Primeiramente vamos explicar o que são provisões contábeis. São reservas de valor lançadas no Balanço Patrimonial que visam atender à despesas que acontecerão no ano seguinte.

  • Não lançamento de provisões decorrentes de obrigações fiscais e trabalhistas – Essa prática é realizada visando a diminuição do passivo no Balanço Patrimonial.
  • Lançamento de provisões de valores a receber vencidos e  sem previsão de valor exato. Essa prática visa aumentar as contas do Ativo no Balanço Patrimonial.

 Esfera do Passivo

  • Lançamento de valores equivocados em Contas a Pagar –  Os clubes lançam de forma errada, diminuindo valores das obrigações com fornecedores, visando uma diminuição do Passivo.

Esfera de Receitas e Despesas

  • Reconhecimento e lançamento de receitas e despesas pelo Regime de Caixa. – Segundo normas contábeis deve-se reconhecer e lançar receitas e despesas pelo Regime de Competência, ou seja, de acordo quando elas são contraídas e não quando da efetivação do recebimento ou pagamento. A prática de utilizar o regime de caixa visa melhorar a situação do resultado financeiro do Clube. Provavelmente são lançadas receitas pelo Regime de Caixa e despesas pelo Regime de Competência.

Esfera dos Estoques

  • Aumento de Estoques. –  A falta de controle de estoques viabiliza que Clubes lancem valores mais altos nessa conta, originando um aumento no Ativo.

O que podemos identificar é que a estrutura politica dos clubes é um dos fatores responsáveis pela falta de transparência na elaboração e apresentação do Balanço Patrimonial. É evidente que, algumas ferramentas de Governança Corporativa inibem um pouco as artimanhas realizadas pelas gestões dos clubes com o intuito de apresentar resultados melhores e posição patrimonial saudável, visando o processo eleitoral. As ferramentas de Governança Corporativa ainda não são totalmente suficientes para garantir a transparência nas demonstrações contábeis, talvez pelo fato de que a estrutura politica também é responsável e as controla nos clubes do futebol brasileiro.

O caminho da transparência ainda é longo e pode começar por um maior entendimento dos sócios e torcedores sobre as demonstrações contábeis. Não podemos achar que de uma hora para outra, o público em geral começará a entender de contabilidade, porém é imprescindível que fique atento e saiba que o seu clube não publica tudo que realmente acontece na parte financeira e contábil.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: