LEIA TAMBÉM

Análise Tática: Vitória 0x0 Fluminense – Campeonato Brasileiro 2016

Em jogo válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, Vitória e Fluminense empataram em 0 x 0 no Barradão. O técnico Vagner Mancini armou a equipe no 4-1-4-1, a surpresa desta vez foi a presença do garoto Nickson, que atuou de interior na segunda linha ao lado de Amaral, com Marinho e Dagoberto nas pontas (completando a segunda linha).

Foto 1 vitoria x fluminense

Na imagem acima, Vitória postado no 4-1-4-1. O grande problema do time é o encaixe individual. Notem que os jogadores não acompanham o movimento da bola, mas sim os adversários. Fluminense tem a bola no lado direito e apenas Dagoberto fecha o espaço por ali, enquanto seus companheiros estão preocupados em marcar seus respectivos adversários.

Outro grande problema do sistema de jogo rubro-negro é que, quando o time tem a posse de bola, Amaral tem que sair junto com Nickson para criar as jogadas, ser opção de passe, participar da triangulação…. Mas como ele não possui características para desempenhar tal função, acaba prejudicando o funcionamento da construção ofensica. Porém, vejo isso como erro de Mancini e não culpa do jogador, que tenta fazer o máximo.

Foto 2 Vitoria x fluminense

Na captura acima, quando o time tinha a bola, Amaral e Nickson se apresentavam à frente. A principal jogada de ataque é o “lançamento” longo buscando Kieza e a utilização dos lados aproveitando a força de Marinho.

Foto 3 vitoria x fluminense

Mais um flagrante com o posicionamento de Amaral em momento ofensivo… Mancini tentou justificar a permanência de Amaral na equipe, dizendo que o mesmo joga avançado para marcar o meia adversário. Porém, observamos constantemente Amaral perdido na marcação, correndo de um lado para o outro, pois o sistema de marcação é falho e deixa a equipe no 1 x 1 ou até 1 x 2 inúmeras vezes. Por fim, não vale a pena ter um jogador em campo com tal limitação ofensiva exercendo essa função. Isso é um retrocesso.

Nickson deu uma possibilidade por dentro que Ramon, Amaral e Farias não tinham dado na partida contra o Cruzeiro. No entanto, Mancini teima em fazer coisas sem sentido. No decorrer do segundo tempo, ele promove as entradas de Marcelo (no lugar de Amaral) e Vander no lugar de Nickson, enquanto o mais óbvio teria sido Vander para a saída de Dagoberto, que naquele momento já demonstra cansaço e não conseguia mais recompor. A entrada de Marcelo foi correta, apesar de preferir Flávio, naquele momento do jogo.

foto 4 vitoria x fluminense

A imagem acima mostra Vander atuando por dentro. Não seria melhor ter Nickson por ali e Vander no lugar de Dagoberto? Nickson era o único jogador no time com características de jogar de interior, sua saída matou as poucas jogadas por aquele setor, forçando mais ainda as jogadas pelos lados, sem tabelas ou infiltrações na área.

Em resumo, o Vitória tem uma estratégia Camicaze. O sistema de marcação é frágil e o time vai de qualquer jeito à frente, sem organização, contando com a individualidade de Marinho ou lampejo de Kieza.

É difícil ter regularidade na competição atuando desta maneira. Por isso o Vitória consegue vencer um Corinthians e perder para a Chapecoense, por exemplo.

Autor: Cássio Santos

1 Trackback / Pingback

  1. Análise Tática do Vitória no 1º Turno do Campeonato Brasileiro – FUTEBOL PLANEJADO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: